O PAPEL DO LIDER EM MEIO A CRISE

O PAPEL DO LIDER EM MEIO A CRISE

A liderança é um aspecto importantíssimo neste momento, para se nortear um negócio, em tempos de crise, a liderança não é apenas um fator importante, mas essencial.

O MOMENTO

Estamos vivendo uma crise econômica gerada pela crise sanitária, também há uma questão em avaliação que será a crise emocional, que advém das ações necessárias para conter a pandemia.

Além destas crises, o medo do desconhecido tem causado o que eu chamo de uma crise na liderança, gerada pela falta de confiança, pois não estamos conseguindo engajar as pessoas, isto ocorre, pois há autoridade mais não há liderança.

O COVID19 trouxe uma crise inesperada e cheia de inseguranças, pois a enorme imprevisibilidade torna as respostas algo difícil, e o alto grau de incerteza gerado por este momento, resulta em desorientação, sensação de controle perdido e, em alguns casos, até mesmo distúrbios emocionais, os efeitos foram muitos, a quarentena foi adotada, governos instituíram proibições de viagens e de circulação, escolas, empresas e comércio foram fechados, e ainda estamos reagindo a isso de diversas formas.  

Não temos o domínio sobre o que está acontecendo e o excesso de informação e de opiniões tem gerado ruído e este que chamo de “terrorismo” nas pessoas, isto tem causado momentos de pavor e até mesmo de pânico,

O que são Fatos e Dados e o que é Opinião, são extremamente difíceis de separar e a forma como tratamos o assunto e que faz a diferença, ninguém sabe as proporções e qual a profundidade desta crise e até onde ela se estenderá.

A liderança é um aspecto importantíssimo neste momento, para se nortear um negócio, em tempos de crise, a liderança não é apenas um fator importante, mas essencial.

Em crises que possuem a incerteza como principal característica, líderes enfrentam problemas desconhecidos e pouco compreendidos, saber como reagir a este cenário, portanto, é primordial para a saúde: das pessoas e dos negócios.

Neste cenário o líder precisa liderar, o plano deve ser diariamente revisto, precisa ser adaptativo a realidade do momento, trazer uma perspectiva realista e otimista pode ter um efeito poderoso sobre os colaboradores, inspirando-os a apoiar a recuperação da organização. 

Um líder não pode minimizar a situação, mas sim demonstrar preocupações verdadeiras, devemos fazer uma leitura de cenário atual e precisamos desenvolver confiança e credibilidade, temos de ser honestos, mas trazer sempre um viés de esperança, não temos certeza de cenários, ninguém tem, devemos trazer as preocupações, mas devemos baixar o terrorismo gerado e principalmente temos de perder o medo de errar.

Nós aprendemos mais com os nossos erros do que com os nossos acertos, eles nos trazem aprendizados sempre, muito do que fez você ser o que é hoje, com certeza foram forjadas através das situações mais difíceis que passou, não só enfrentar este momento, estar aberto a se desenvolver.

Em momentos de crise o “comando e o controle” são importantes, pois, as pessoas esperam um posicionamento do líder, um direcional, o caminho a seguir. O otimismo precisa ser acompanhado pela disciplina sempre, ela e fator chave para o sucesso.

Um bom líder se define por aquele que busca resolver problemas, diferentes líderes existem para diferentes situações e ambientes, mas sua função é constante, sua motivação está no bem-estar daqueles que serão afetados por suas decisões, suas vitórias e seus tropeços.

O LIDER QUE ENGAJA

A solução para diversos problemas em um ambiente empresarial será encontrada por meio de boa liderança e cooperação, um pequeno grupo de altos executivos não é o suficiente para tomar decisões com rapidez suficiente.

O papel do líder é mobilizar a organização e as equipes, estabelecendo as prioridades claras para aquele momento problemático para um negócio, é o período em que todos os envolvidos deverão se juntar e buscar as soluções mais viáveis, mas também deve ser visto como momentos de oportunidades,

O que se busca em uma boa liderança é a inspiração, a motivação que vai impulsionar ações em direção a solução, não há ninguém melhor que um bom líder, que não permite que sua função se abale por conta dos obstáculos que aparecem, ele torna ansiedade em confiança.

Muitas empresas têm ou já tiveram de lidar com pessoas inseguras em cargos de liderança, característica essa que desestabiliza o ambiente empresarial, portanto, é essencial que o líder mantenha-se firme e busque sempre os caminhos mais sensatos em direção às soluções de problemas, com as motivações certas, métodos bem definidos, olhar crítico, humildade para aprender com seus erros e transparência a lidar com as situações, a liderança gera confiança das outras partes que, por sua vez, se sentirão mais próximas e determinadas para um único propósito.

Líderes preparados devem promover a colaboração e a transparência nas equipes. E uma maneira excelente de fazer isso é dando Autonomia e compartilhando informações e além disto precisa ser aberto para dar e receber feedback, nesse momento de crise precisamos falar, seu feedback produz satisfação, pois isto alimenta a equipe de forma positiva, mas precisamos também ouvir, nossas equipes têm muito a nos ensinar, neste momento de incertezas eles podem nos ajudar muito, Um estilo de liderança mais interativo e pessoal neste momento trará efeitos por muito tempo depois que a crise passar

Haverá muitas mudanças, principalmente em nós com esta crise, acredito que ele despertará o que chamo de “modos”, que estarão em nós mais latentes e quero destacar 4 deles aqui:

  • Modo de crise – E o que chamo de “sempre alerta”, esta e uma crise que nunca vivemos nada igual, e nos ensinará a estar mais preparados para os desafios futuros.
  • Modo de reinvenção – O que aprendemos até agora com as crises passadas precisa ser reinventado, necessitamos ser mais ágeis, pois nada será como antes.
  • Modo aprendizado – Aprender com o que estamos vivendo, ver a vida de uma outra maneira.
  • Modo solidariedade – Uma mudança na consciência coletiva – a visão do todo e não do eu, uma preocupação com o próximo maior.

                Mapa de nossa jornada de aprendizagem.

    A Teoria de Joseph Campbell – As experiências pessoais e organizacionais podem ser moldadas em histórias heroicas,

O DILEMA – AS PESSOAS X AS FINANÇAS DA EMPRESA

O erro esta que o líder não pode tratar estes 2 sistemas de forma separada, este não é um botão de liga e desliga, e preciso olhar para frente, pois este momento irá passar, hoje a crise está te colocando em um lugar difícil? Sem as pessoas certas e motivadas se tornará mais difícil sair dela quando retornar e depois voltar a crescer.

Abrir mão, privilegiar o caixa no momento em relação as pessoas pode ser um “tiro no pé”, quando colocar suas finanças em dia irá precisar das pessoas, não podemos ser imediatistas, agir assim pode comprometer a estratégia em recontratar e treinar para o mesmo nível do talento desperdiçado, há de se ter uma visão de presente (momento atual) mas também de futuro.

Claro que sem a questão financeira que está alinhada à sobrevivência não haverá futuro, os resultados continuam sendo extremamente importantes, mas cabe ao líder balancear estas decisões, “um olho no peixe e outro no gato”.

 A principal regra para líderes em momentos de crise e a Transparência Isso é essencial para tranquilizar todos os envolvidos no enfrentamento dos desafios advindos deste cenário, em momentos como este, o ambiente torna-se mais tenso do que o normal e é papel do líder promover a Segurança psicológica para que as pessoas possam discutir novas ideias, perguntas e preocupações, mesmo reconhecendo a incerteza deste momento. 

Gosto de um versículo Bíblico, onde o apóstolo Paulo, um dos maiores líderes da Igreja Cristã primitiva em sua carta enviada a uma delas relata que estava passando dificuldades, tinha temores, se sentia até mesmo perdido, mas estava Confiante e que em tudo há Esperança que nos renova e dá força para continuar no caminho de seus Propósitos em meio às dificuldades.

 “De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados; ficamos perplexos, mas não desesperados; somos perseguidos, mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos”

(2 Coríntios 4:8,9)

LIDERANÇA REMOTA

Com o isolamento social que estamos vivendo, a liderança remota se tornou uma necessidade do momento, e assim nós precisamos aperfeiçoar as maneiras como exercemos a nossa gestão das pessoas e influência à distância. Esse é um desafio a nós como líderes, pois ainda vai durar algum tempo e creio que nunca mais a relação trabalho x local de trabalho será o mesmo, pois ela afeta a nós e também aos nossos times pois há um sentimento negativo a respeito dele e temos que tratar desses problemas remotamente enquanto buscamos manter a produtividade.

Todos nós sabemos que princípios de liderança são os mesmos tanto na situação remota quanto na presencial, mas algumas técnicas são diferentes. Eu e você, como líderes, precisamos evoluir e a regra de ouro é a seguinte: liderança é mais importante do que a localização. Você e eu precisamos crer nisso e focar nossa atenção nos relacionamentos.

Primeiramente para a nossa interação quero destacar a necessidade de aprender a usar as tecnologias disponíveis (videoconferência, bate-papo por vídeo, reuniões na web, e-mail, WhatsApp, compartilhamento na nuvem, colaboração online entre outros), muitos líderes possuem baixo conhecimento técnico, o que dificulta muito as interações.

A parte humana de nosso trabalho de repente ficou muito maior, fique atento pessoas precisam de atenção.

O modelo de governança precisa ser repensado, e este é um ponto fundamental e por isso, minha sugestão e que agende um encontro diário (com câmera e microfones ligados) com seus liderados, nem que seja só para dizer um “oi” e ver se tudo está bem, esteja disponível: diga para o seu pessoal que eles podem contata-lo a qualquer momento (dentro de um horário adequado). Ouça-os, seja compreensivo e tente ajudar.

Acho que nós ainda não conseguimos medir ou imaginar o valor e o poder de libertação que nossas reuniões diárias produzem para a equipe e as pessoas individualmente, O ponto que quero enfatizar é o seguinte: faça isso de verdade, demonstre legitimo interesse por elas.

Como já fazemos presencialmente, também vamos cometer muitos erros em nossa liderança remota, mas os princípios de uma boa gestão estão pautados em definições claras e uma boa comunicação, isto nos faz produzir resultados relevantes e mensuráveis e são os mesmos nas duas situações, a questão e que antes a gente podia falhar ocasionalmente, pois os liderados estavam “aí do outro lado do corredor” e podiam ser “chamados para uma reunião rápida”, agora, essa realidade desapareceu.

 Nesses dias de isolamento social, nosso contato pessoal tornou-se uma das coisas mais estratégicas que podemos fazer, e muito possível que sua reunião de equipe seja seguida de outras reuniões individuais para tratar algum aspecto que surgiu na reunião com ogrupo.

Você e seus colaborares sabem que o trabalho existe para produzir resultados, pessoas estão mais interessadas em conexão do que em produção. Além disso, o resultado produz um senso de dignidade e realização insubstituíveis, não adianta gastar todo o tempo cuidando das pessoas, se elas não chegarem a sentir a alegria da realização. Ela, você e sua organização precisam do resultado.

Liderados são seres humanos com qualidades e limitações (como sempre foram), mas agora eles estão sob muito estresse. Observe, pergunte, perceba, avalie deduza; depois converse e ajude. Você precisa ser alguém presente, invista tempo na observação e no aprendizado dos liderados, você vai precisar de gente que saiba fazer o trabalho cada vez mais à distância.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Na crise que estamos vivendo precisamos ter a resiliência de não desistir, de lidar com as frustações dos momentos que estão sendo geradas, se a tivermos sairemos dela ainda mais fortes.

Situações de crise exigem pessoas que saibam ter calma na tomada de decisões preocupantes, além disso, líderes devem ser otimistas de que a organização encontrará um caminho para sua situação difícil.

Em uma crise, as pessoas ficam em um estado de atenção voltada à sua própria sobrevivência e necessidades básicas. Por isso, líderes eficazes neste momento são aqueles que fazem uma diferença positiva na vida das pessoas!

LUÍS CLÁUDIO MARTÃO

 Profissional com mais de 30 anos na área de Supply Chain em Operações Logísticas, Transportes e Distribuição (Inbound; Outbound, Fullfilment e Alfandegados) e E-commerce com gestão de customer service, em Varejo de Moda, Eletrônicos, Cosméticos e em diferentes segmentos.

Desenvolveu projetos de Implantação de CD´s, malha de transportes, outsourcing, automação, supply chain management, milk run, gerenciamento de riscos, Logística Reversa, controles de inventários entre outros.

Brasileiro, casado, formado em Administração de Empresas, pós-graduado em Logística Empresarial e de Transportes e MBA em Logística Nacional e Internacional

Publicidade