Estudo do cenário de galpões logísticos confirma ano histórico com recorde de absorções liquidas

Estudo do cenário de galpões logísticos confirma ano histórico com recorde de absorções liquidas

 

Levantamento realizado pela consultoria Cushman & Wakefield destrincha os principais números de um dos mercados que mais cresceu ao longo da pandemia

O mercado galpões logísticos apresentou um histórico ano em 2020. Por conta do crescimento das vendas via e-commerce em todo o Brasil, o setor vem se sustentando aquecido desde meados de 2020. Um estudo realizado pela consultoria de serviços imobiliários Cushman & Wakefield sobre o cenário do mercado logístico de 2020 confirma o momento de guinada do setor.

A junção do número acentuado de locações com o excesso de demanda, contribuíram para uma confiança significativa de investidores e desenvolvedores, o que consequentemente impactou na taxa de vacância no mercado ao longo do ano.  Atualmente, a taxa no Brasil está no nível mais baixo já registrado em uma série desde 2017, caindo 9.7 p.p. (alcançando 13%) e registrando a maior absorção líquida desde 2013, com 1,7 milhões de m2. Ainda no período, foi apontado um grande resultado de novo estoque, com 1,2 milhões de m2, o maior índice desde 2016.

A região de São Paulo se destaca, sendo responsável por 58% da absorção total, liderando também as novas locações que ocorreram no período. A ocupação, como previsto, ocorreu na sua grande maioria por empresas varejistas e atacadistas, em parques logísticos de alto padrão, próximos a áreas urbanas ou às principais estradas e rodovias que costumam ser trajetos estratégicos para entregas rápidas.

“As empresas de comércio virtual estão visando atender a atual demanda de entregas rápidas, porém estão focando no futuro, em que os consumidores devem manter o hábito de compras online, evitando as lojas físicas no curto prazo por conta da COVID-19. A experiência de compra cada vez mais completa e intuitiva, com vantagens e praticidade, e a ampliação do uso de aplicativos e plataformas online, devem manter o setor aquecido, com a possibilidade de novos parques logísticos em regiões alternativas possam surgir em breve. Para 2021, a expectativa inicial que temos é que sejam entregues mais de 1,18 milhão de m2 em todo o Brasil”, pontua Jadson Andrade, head de inteligência de mercado da Cushman & Wakefield.

Além de São Paulo, Minas Gerais apresentou um grande avanço no período, com o volume de absorção líquida atingindo mais de 19% do seu estoque total. “A região de Extrema ganhou a atenção de grandes players do varejo e atacado nacional, pois está estrategicamente localizada, com proximidade a São Paulo e Rio de Janeiro”, destaca Andrade.

 Confira alguns números identificados a partir do estudo:

Evolução da Taxa de Vacância – Ano a ano

Evolução da Absorção Líquida – Ano a ano

 

Mercado Estoque Ocupações Absorções Absorção como % do Estoque
Brasil 19,971,678 1,181,760 1,727,263 8.6%
São Paulo-SP 12,382,960 653,561.98 997,819 8.1%
Rio de Janeiro-RJ 2,487,673 152,619.00 312,04 12.5%
Minas Gerais-MG 1,271,630 225,242.00 243,093 19.1%
Pernambuco-PE 854,231 38,021.00 58,793 6.9%
Outras cidades 2,975,184 112,316.00 115,514 3.9%

 

Sobre a Cushman & Wakefield

A Cushman & Wakefield (NYSE: CWK) é uma líder global em serviços imobiliários corporativos que oferece valor excepcional para ocupantes e proprietários. É uma das maiores empresas do setor no mundo, com aproximadamente 53.000 funcionários em 400 escritórios e 60 países. Em 2019, seu faturamento foi de US$8,8 bilhões proveniente de suas principais linhas de serviços como gerenciamento de propriedades, facilities, gestão de projetos, locações, capital markets, avaliação imobiliária e outros serviços. Saiba mais em www.cushmanwakefield.com.br

 

Publicidade