Escalada da inflação exige maior eficiência da cadeia logística

Escalada da inflação exige maior eficiência da cadeia logística 

Adesão por novas tecnologias é fundamental para sustentar os negócios ante à crise

Por Waldir Bertolino, Country Manager da Infor no Brasil

Em apenas um ano, os consumidores brasileiros viram os preços dos alimentos dispararem. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, atingiu a marca de 1,06% em abril. Em 12 meses, a inflação acumulada subiu para 12,13%. Segundo dados do IBGE, os itens que sofreram maior alta foram o leite (10,31%), batata-inglesa (18,28%), tomate (10,18%), o óleo de soja (8,24%), o pão francês (4,52%) e as carnes (1,02%).

Ainda de acordo com o IBGE, 78% dos itens da cesta básica subiram. É a maior variação de preços desde fevereiro de 2003. Ou seja, vivemos um período de escalada da inflação, que não se restringe apenas aos alimentos. 

Este cenário de alta de preços impacta diretamente na renda do consumidor e, consequentemente, pode diminuir as margens de lucros das empresas. Um dos setores mais impactados com a crise é a logística. E manter a eficiência da cadeia de suprimentos por meio de inovação contínua é um desafio árduo para os gestores logísticos, porém, crucial para sustentar os negócios nesse período de instabilidade. 

Logística eficiente pertence à nuvem

Em um mercado com margens cada vez menores e altamente pressionado por maior eficiência, a tecnologia na nuvem é uma grande aliada para que as empresas façam a gestão da cadeia logística de forma estratégica e integrem todos os processos realizados na operação de forma a maximizar os resultados e possam crescer sem se preocupar com infraestrutura e possam focar no seu core business.

Combinada com uma solução de Internet das Coisas (IoT), um dos benefícios da nuvem é a possibilidade de obter insights precisos sobre entrada e saída de mercadorias dos armazéns, aumentando a eficiência da gestão do estoque com a mitigação de excedentes ou reposição de produtos em falta. 

A possibilidade de ter informações valiosas em mãos também facilita o compartilhamento otimizado  desses dados entre todos os membros do  ecossistema da cadeia de suprimentos. Estabelecer conectividade em tempo real com todos os envolvidos significa, na prática, coordenar as operações de forma ágil e ter visibilidade de ponta a ponta sobre todo o processo logístico, desde o gerenciamento de pedidos, armazenamento, separação, transporte e até logística reversa.

Rastreamento de produtos

Informação é vantagem competitiva. Para uma empresa, saber onde o produto está e se ele chegará em segurança no destino são fundamentais para promover a satisfação dos clientes, ainda mais em tempos de crise. Sendo assim, o rastreamento de produtos contribui bastante para que as companhias alcancem esse objetivo, além de poder se antecipar a todos os percalços que estão impactando várias indústrias e fechando várias fábricas por falta de itens da cadeia de suprimentos que impacta na redução do mix da cesta de produtos e consequentemente do share.

Quando não se tem o monitoramento preciso do produto, para cada desvio que acontece durante o trajeto, surge uma situação emergencial que obriga a empresa a alocar recursos extras para tratar do problema. Por esse motivo, uma solução de rastreabilidade ajuda os gestores a reduzir custos, tornando a operação mais eficiente.

Em linhas gerais, se a eficiência operacional é uma questão de sobrevivência para as empresas neste momento de instabilidade, o investimento em tecnologia se torna vital para esse objetivo. Ainda mais importante é entender bem suas próprias dores e necessidades, além de fazer a ponte entre elas e as soluções disponíveis no mercado.

Willians Ribeiro • Analista de Comunicação

BRSA – branding and sales

Cel +55 11 9 6459 0024

Publicidade