Logística é apontada como um das áreas promissoras para carreira em 2017

Wyser aponta logística como uma das áreas promissoras para carreira em 2017

Para a Wyser, empresa de recrutamento e seleção, entre as áreas com boas oportunidades profissionais está o gestor de logística. Conheça também outras profissões que estarão em alta em 2017

Mercado busca profissionais com habilidade para traçar estratégias mais rápidas e econômicas para transportar os produtos

O ano começou com recorde no número de desempregados no país: cerca de 11,5% da população trabalhadora estão fora do mercado de trabalho, segundo os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Mas apesar do cenário marcado por incertezas no cenário econômico e político, 2017 será promissor para profissionais com conhecimentos de diferentes áreas do processo de produção ou serviços, capazes inovar e gerar negócios, na avaliação da Wyser, empresa de recrutamento e seleção para média e alta gerência, da multinacional de recursos humanos Gi Group.

A demanda do mercado é praticamente a mesma em relação ao ano passado. “As médias e grandes empresas continuam buscando profissionais mais especializados, com sólida formação acadêmica e domínio do inglês e outros idiomas, além da habilidade para detectar oportunidades de crescimento tanto internamente como no exterior”, afirma Fábio Nogueira, diretor da Wyser.

[quote]

"Mercado busca profissionais com habilidade para traçar estratégias mais rápidas e econômicas para transportar os produtos"
Fábio Nogueira, diretor da Wyser.

[/quote]

Entre as áreas com boas oportunidades profissionais está o gestor de logística. Hoje, as companhias têm como desafio garantir a entregar seus produtos com agilidade e qualidade em todo território nacional. Com a falta de infraestrutura de transporte, as empresas precisam contar com especialistas com visão mais completa do processo de logística, que saibam gerenciar com eficiência o transporte de mercadorias e traçar estratégias mais rápidas e econômicas para transportar os produtos.

Veja outras profissões em alta em 2017

Na avaliação da Wyser, neste ano os segmentos mais favoráveis para carreira são o varejo, serviços (especialmente de tecnologia), as indústrias de bens de consumo e farmacêuticas:

Especialista em mídias sociais

Cada vez mais as redes sociais são um canal por excelência para se relacionar com os consumidores e parceiros comerciais, além de importantes fontes de informações do mercado. Para explorar ao máximo esse recurso, as empresas estão investindo em experts que saibam organizar e utilizar a base de dados, analisar movimentação e acessos na página e criar estratégias para impactar suas marcas e serviços no público-alvo.

Pesquisadores

A necessidade de criar produtos e soluções inovadores tem tirado pesquisadores dos laboratórios. A demanda por profissionais com sólida formação acadêmica e com alto grau de especialização, com habilidade para transformar trabalhos científicos em negócios vem crescendo ano a ano. Entre os principais mercados estão as indústrias farmacêuticas, química, de materiais e bens de consumo.

Tesoureiro

As empresas continuam buscando profissionais que ajudem a encontrar soluções para melhorar a sua lucratividade. Neste ano, deve continuar em alta a demanda por tesoureiros que entendam de operações financeiras, como também tenham experiência sólida em gestão e captação de recursos no Brasil e no exterior.

Gerente de planta

Apesar do desemprego na indústria, a procura pelo profissional número 1 da planta continua em alta. As empresas buscam profissionais que tenham a visão do trade, de gestão de pessoas, de produção e logística, para produzir mais e com menos custo.

Especialista em comércio exterior

No Brasil são poucos os profissionais de comércio exterior com inglês fluente e domínio de outro idioma. O mercado procura por pessoas com especialização no exterior, tenham sólido conhecimento em operações aduaneiras, infraestrutura de logística nacional e internacional, habilidade para firmar parcerias comerciais fora do país.

Especialista em precificação

O varejo procura profissionais que possam avaliar e definir o preço certo, para garantir giro dos produtos e receita para empresa. São especialistas com conhecimento do mercado, que saibam gerenciar os preços de acordo com o estoque, validade do produto e demanda em diferentes épocas do ano.

Advogado tributário

A oportunidade de carreira vem crescendo com surgimento de startups, especialmente nas áreas de tecnologia e financeira, que estão conquistando espaço com serviços inovadores e precisam de um consultor especializado, para dar orientações sobre a legislação do mercado, garantias ao consumidor, modelos de contrato, tributação e gestão fiscal.

Engenheiro eletricista de energia renovável

Há uma carência de profissionais especializados em energias renováveis, principalmente a eólica. A profissão promete ser a bola da vez nos próximos anos com investimentos crescentes em novas matrizes energéticas.

Gerente comercial

O setor de serviços, especialmente de tecnologia da informação, tem investido em talentos para encontrar novos mercados e soluções para continuar movimentando os negócios. A preferência é por profissionais qualificados, comprometidos com a empresa e experiência sólida no mercado.

[infobox title=’Leia Também: ‘]

Carreiras em baixa em 2017

Refletindo o atual cenário político-econômico do país, profissões ligadas à indústria pesada, mineração e da construção civil continuam sendo as mais afetadas. Veja quais são as carreiras com menos oportunidades no mercado em 2017:

Geólogo

A queda na demanda por geólogo vem caindo nos últimos anos e continuará em baixa devido à crise na construção civil e indústria pesada, que estão consumindo menos matéria-prima para produção de veículos.

Engenheiro de minas

Assim como geólogo, a carreira de engenheiro de minas sofre o impacto direto da retração do mercado de mineração, em função da crise na indústria pesada e a queda na cotação dos preços dos minérios de ferro e aço.

Engenheiro mecânico

A queda nos investimentos na indústria automotiva e na indústria siderúrgica vem provocando muitas demissões e reduzido a demanda por esses profissionais no mercado.

Engenheiro civil

A demanda por esses profissionais vem sofrendo baixa desde o ano passado e continuará em queda com a desaceleração do mercado imobiliário e das obras públicas com a operação Lava Jato.

Engenheiro naval

A crise no setor de óleo e gás praticamente estagnou a encomenda de embarcações de grande porte.

Engenheiro de petróleo

A baixa da categoria está relacionada à crise das companhias petroleiras, que impactou diretamente nas bacias de Macaé e Campos e ainda tem adiado novos investimentos no setor.

Engenheiro metalúrgico

Assim como engenheiro mecânico, o engenheiro metalúrgico perdeu espaço com a retração das grandes montadoras, das indústrias de autopeças, siderúrgicas e de refratários.

Engenheiro de produção

A queda na demanda é puxada pelo setor automotivo.

Engenheiro ambiental

A demanda por profissionais da área continuará em baixa neste ano, principalmente devido à desaceleração no ritmo das obras públicas, que acabam reduzindo o número de projetos de licenciamento ambiental, e dos investimentos em projetos sustentáveis.

Economista

Fechamento de pequenas corretoras de ações e a incorporação dos médios bancos pelas grandes instituições financeiras nos últimos anos vêm provando desemprego na categoria.

Sobre Gi Group

Gi Group é um dos líderes globais em soluções dedicadas ao desenvolvimento do mercado de trabalho com forte destaque nas atividades de Recrutamento e Seleção, Administração de Temporários, projetos de Terceirização (Outsourcing), Marketing Promocional, Treinamento e Consultoria Empresarial em Desenvolvimento Organizacional e Programa de Estágios.

No início de 2007, o Gi Group começou o seu programa de internacionalização que levou o grupo a estar hoje presente em mais de 40 países na Europa, América e Ásia. A sua importância mereceu reconhecimento adicional no final de 2010 com a entrada como Membro Corporativo Global na CIETT – Confederação Internacional das Agências de Emprego, juntando-se assim a seis outras multinacionais do setor.

O grupo tem faturamento 1,6 bilhões de euros, e atende mais de 12.000 empresas através de 600 filiais em todo mundo e mais de 2400 funcionários diretos.

Publicidade