Gastos com produtos halal no mundo podem alcançar US$ 3,2 trilhões em 2024

Gastos com produtos halal no mundo podem alcançar US$ 3,2 trilhões em 2024

O segmento de alimentos de bebidas atingirá US$ 739,59 bilhões até 2025. Já o de cosmética pode chegar a US$ 52,02 bilhões

Mundo árabe

São Paulo, março de 2020 – De acordo com o State of the Global Islamic Economy Report (Relatório Global da Economia Islâmica), os gastos com produtos halal pelos muçulmanos no mundo (comida, fármaco, cosmética, lifestyle e outros) podem chegar a US$ 3,2 trilhões até 2024. Halal significa lícito ou permitido (sem qualquer incidência de álcool ou porco). Os produtos certificados estão autorizados e adequados para o consumo muçulmano de acordo com a lei islâmica. “Mas não é só o muçulmano que consome produto halal. O mercado halal é uma grande oportunidade para as indústrias brasileiras que queiram exportar para o mundo árabe muçulmano e outras comunidades que visam produtos de boa procedência e de qualidade”, ressalta o diretor-executivo da Cdial Halal, Ali Saifi.

E as exigências aumentam a cada dia. Todo processo de certificação cumpre regras predefinidas, devidamente acompanhado e avaliado, de forma que o consumidor, intermediário ou final, possa ter a maior confiança no produto de um fornecedor. “Além do produto em si, os países importadores estão exigindo a mesma certificação nos processos de armazenamento de alimentos refrigerados e congelados e de transporte. Ou seja, toda cadeia é rastreada. Se houver qualquer não conformidade a carga é impedida de embarcar”, alerta Saifi.

Como obter o certificado halal nos processos de transporte e armazenamento? Em nenhum processo a ser avaliado pode haver incidência de álcool e/ou indícios de carne suína, fatores proibidos de acordo com a lei islâmica. Todos os processos de armazenamento, manuseio, rotulagem embalagem, transporte e entrega serão analisados. Ou seja, desde a entrada e saída do produto: espaço físico (serão medidas a umidade e pressão do ar, além de exigir as boas práticas de higiene, incluindo proteção de mercadorias e ou carga contra contaminação cruzada (proibida pelo halal)); características biológicas, químicas e físicas dos produtos; lista de ingredientes, inclusive de aditivos e auxiliares de processamento, entre outros.

População mundial muçulmana – O islã é uma religião global e não se limita às nações de maioria muçulmana, como Indonésia, Arábia Saudita e Egito. A população muçulmana nos países ocidentais tem crescido e este fator se deve ao aumento da imigração do Oriente Médio e dos países muçulmanos asiáticos. Estudos recentes da Research Center’s Forum on Religion & Public Lifes apontam que até 2030, a população islâmica pode chegar a 3 bilhões de habitantes no mundo.

Previsão de muçulmanos no mundo para 2030

Ásia 1,2 bilhão
África 800 milhões
Europa 58 milhões
Américas 10 milhões
Total aproximado 2,68 bilhões

Fonte: Research Center´s Forum on Religion & Public Lifes

Mercado halal – Conforme estimativas apresentadas pela Inkwood Research, o mercado global de alimentos e bebidas halal deverá atingir uma receita de US$ 875,99 bilhões até 2028, ou seja, um aumento de 6,05% (2020 a 2028).

Atualmente, no Brasil, os mercados que tem melhor se desenvolvido foi o de proteína. “Quase 50% da produção de proteína brasileira, incluindo carnes bovina e aves, são halal”, pontua Saifi.

De acordo com informações da ABPA – Associação Brasileira de Proteína Animal – as exportações de frango (halal e não halal) alcançaram 4.120 milhões de toneladas, registrando aumento de 2,8% em relação a 2018, com receitas de US$ 6,994 bilhões (alta de 6,4% na comparação anual). A China, sem sombra de dúvida, foi o país que mais importou frango, chegando a 585 mil toneladas, volume 34% maior que o de 2018. As exportações de carne de frango para a região asiática aumentaram 12%, saindo de um share de 34,4% em 2018 para 37,5% em 2019. A Arábia Saudita foi o segundo maior importador, com 469 mil toneladas (24% da carne halal exportada foi para este país). O Japão, por sua vez, incrementou as compras em 7% em 2019, com volume total de 424 mil toneladas. Já os Emirados Árabes ocuparam a quarta posição com 341 mil toneladas. No geral, o Oriente (Afeganistão, Bahrein, Catar, Iêmen, Iraque e Omã) importou 1,417 milhão de toneladas com aumento de 5%.

Para 2020, a ABPA tem expectativas de que a demanda global por frango continue em alta, ou seja, com acréscimo de 7% nos embarques, prevendo cerca de 4,5 milhões de toneladas para este ano.

                Exportações Brasileiras de Carne de Frango – Volume (Mil ton)
      Mercado 2018 2019 Share 19 (%) Var. 2018/19 (%)
China              438                  585 14% 34%
Arábia Saudita              486                  469 11% -4%
Japão              398                  424 10% 7%
Emirados Árabes              310                  341 8% 10%
África do Sul              331                  270 7% -18%
União Europeia              262                  250 6% -5%
Hong Kong              212                  183 4% -14%
Coreia Do Sul              113                  120 3% 6%
Kuwait              123                  115 3% -7%
Iraque              104                  110 3% 6%
Outros           1.236              1.253 30% 1%
Subtotal           4.013              4.120 3%

          Fonte: ABPA

Carne bovina – De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), dados divulgados em fevereiro deste ano, o Brasil deve produzir 10,5 milhões de carne bovina em 2020, com perspectiva de aumento de 3,4% referente ao ano passado. Lembrando que 50% deste volume tem certificação halal.

O USDA atribui o aumento da produção bovina à maior produtividade, exportações recordes contínuas e ao fortalecimento do mercado doméstico. Há uma grande expectativa de que as exportações continuem firmes e fortes, para que sustentem este crescimento. Para exportação, o Departamento do governo norte-americano prevê exportar 2,53 milhões de toneladas este ano, 10% a mais que o comercializado para o exterior em 2019.

Segundo dados divulgados em 3 de março deste ano, a ABRAFRIGO – Associação Brasileira de Frigoríficos – fevereiro registrou movimentação de 131.227 toneladas contra 139.292 tonelada em fevereiro de 2019. A receita obtida foi de US$ 564,6 milhões contra US$ 518 milhões em 2019.

A China continua comandando a movimentação de carne bovina brasileira sendo a responsável por 52,5% das exportações. Nos dois primeiros meses de 2019, o país importou pelo continente e pela cidade estado de Hong Kong 106.641 toneladas e em 2020 este total subiu para 139.969 toneladas (77.317 toneladas em janeiro e 62.382 em fevereiro). O continente importou 83% a mais do que em 2019 enquanto que Hong Kong diminuiu suas aquisições em 14%. O Chile ocupou o segundo lugar com a importação de 15.907 toneladas (+9,6%). Na terceira classificação vem a Rússia com movimentação de 13.095 toneladas (+56,5%). O Egito ficou em quarto lugar com 11.827 toneladas (-56%) e a Arábia Saudita na quinta posição, com 8.425 tonelada, aumento de 20,6%.

Exportação de produtos alimentícios brasileiros – Atualmente, segundo a pesquisa conjuntural da ABIA – Associação o Brasileira da Indústria de Alimentos – o Brasil é o segundo maior exportador de alimentos industrializados do mundo. A indústria brasileira de alimentos e bebidas registrou um crescimento de 6,7% em faturamento no ano de 2019, em relação a 2018, atingindo R$ 699,9 bilhões, somadas exportações e vendas para o mercado interno, representando 9,6% do PIB. O setor exportou para mais de 180 países.

Dos países que mais importam alimentos industrializados do Brasil, China, Holanda e Hong Kong continuam sendo primeiro, segundo e terceiro colocados, com valores na ordem de US$ 5,3 bilhões, US$ 1,9 bilhão e US$ 1,6 bilhão, respectivamente. A Arábia Saudita importou US$ 1,4 bilhão.

De acordo com ASBIA, o setor de alimentos industrializados cresceu 2,3% em vendas reais ano passado. Em 2020, mantido o cenário de crescimento projetado para o país, as vendas reais da indústria de alimentos têm espaço para crescer ao redor de 3%.

Destino principais das exportações do Brasil

1° lugar – China US$ 5,3 bilhões
2° lugar – Holanda US$ 1,9 bilhão
3° lugar – Hong Kong US$ 1,6 bilhão
4° lugar – Estados Unidos US$ 1,5 bilhão
5° lugar – Arábia Saudita US$ 1,4 bilhão

 Fonte: Associação Brasileira da Indústria de Alimentos

Mercado de cosméticos halal – De acordo com pesquisa realizada pela Grand View Research em 2019, a expectativa é que o segmento de cosméticos halal atinja US$ 52,02 bilhões de dólares até 2025. A população islâmica, maior consumidora destes produtos, está disposta a pagar preços premium pelos produtos certificados. O mercado é um nicho com a presença de grandes e pequenos fabricantes em todo o mundo e é uma grande oportunidade para as empresas brasileiras que desejam expandir suas marcas para os países do Oriente Médio e da Ásia (Malásia, Indonésia, Singapura, Paquistão, Índia e Bangladesh). Fora isso, se um produto possui a certificação halal, significa que ele foi atestado como sendo de alta qualidade e, por conta dessa comprovação, outras comunidades estão começando a fazer uso destas mercadorias, como é caso do Japão, da Coreia do Sul, da China e de outros países, apesar grande maioria dos compradores ainda serem as comunidades muçulmanas.

Cdial Halal – Uma das maiores e importantes certificadoras halal do Brasil – acaba de receber uma das mais importantes certificações: a acreditação do EIAC (Emirates International Accreditation Centre –). “Tivemos a honra de sermos certificados em três normas: GSO 2055-2:2015, OIC/SMIIC 2:2011 e UAE 2055-2:2016 nas categorias: C, D, E e L, que contempla produtos de origem animal e vegetal perecíveis; de indústria química e bioquímica, além dos produtos de longa vida de prateleira”, explica Saifi.

Além desta certificação, a Cdial Halal também é acreditada pelo principal órgão de acreditação do Golfo, o GCC (Governos do Conselho de Cooperação do Golfo) através do GAC. “Somos os únicos na América Latina acreditados pelos principais órgãos oficiais dos Emirados Árabes (EIAC) e do Golfo (GAC), o que nos confere a seriedade e competência nos segmentos que atuamos. São certificações que comprovam que seguimos as rígidas regras e garantimos a excelência e integridade dos produtos e empresas acreditadas”, finaliza.

Informações para imprensa

LN Comunicação

Lucia Nunes – diretora e jornalista responsável

Marianna Cardoso – assessoria de imprensa

Wanessa Brasil – estagiária de assessoria de imprensa

(11) 3458.7741 / 7748 / 99968.4105

assessoriadeimprensa@lncomunicacao.com.br

PublicidadeError, group does not exist! Check your syntax! (ID: 4)