Assault on the other’s language 

Assault on the other’s language                                                    

Apreensivo em não ficar Out do que acontece em nosso “VUCA ou BANI World e preocupado com a meu Mindset, olhando para meu Next Step resolvi escrever este Paper  sobre um fenômeno bastante interessante que acontece no Brazil, em especial no mundo empresarial, assim para que minhas idéias fiquem mais Clean, fiz um pequeno Brifing aproveitando que estou em Home Office e tirei um Day Off para construir um Workshop sobre o assunto.

Para que não chegue Top Down em você, quero chamar sua atenção para uma tendência na busca por Talent Acquisition através de Staff Argumentation, embasadas nas Evaluations que não só verificam o Background, mas também os Soft Skills e Hard Skills destes profissionais, através de algumas ferramentas, entre elas o Assessment, assim gostaria de ajudar em seu Carreer Development Plan e poder melhorar a sua Performance, através de digamos um Mentoring ou quem sabe até mesmo um Coaching, com um absoluto intuito de que você realize Benchmarking e aumente o seu Networking, realizando On the Job Training para que não seja apenas mais um Headcount , alcançando um Upgrade em seu know-how, preparando-o para atuar como agente do Team Building  em sua empresa. 

Foi um pouco confuso entender o texto acima? A ideia aqui e fazer uma reflexão sobre o uso abusivo de termos em inglês no mundo corporativo, confesso que chama atenção, pois cada vez mais eles são incorporados em nossa vida, muitas vezes falamos sem ter total convicção de seus significados e sem avaliar se aqueles que estão nos ouvindo estão entendendo (quem já não ouviu um termo deste e anotou para ir procurar depois  ou em uma reunião ou conversa fez cara de conteúdo para não assumir que não conhecia), mas parece-me que soa melhor ou mais Professional usa-los, não que eu seja contra (e que eu também não os use), mas e possível economizar um pouco, em um país como o nosso, com um vocabulário riquíssimo, pergunto-me aonde vamos chegar com essa Overdose de inserções de palavras em nosso dia a dia e até quanto agregam todo este valor em nossas conversas e até mesmo com nossas equipes.

Escrevo isto, pois a pouco tempo em uma reunião da equipe de Logística que aborda Resultados de Operações (com recorrência mensal) fui designado para apresentar os KPI´s (Key Performance Indicators)  e antes de iniciar fiz uma pergunta ao grupo que se reunia se todos sabiam o que e  OTD (On Time Delivery) e OTIF (On Time in Full)? Pedi sinceridade e cerca de 60% levantou a mão manifestando sua falta de conhecimento dos termos e acredito que os outros 40% ficou com vergonha de assumir.

Em fase final escrevendo este pequeno artigo, quis mostra-lo antes a um amigo para que pudesse me ajudar a avaliar e até mesmo criticar, então ele me disse “Martão, vamos marcar um Meeting, aproveitamos e tomamos  um Coffee para falar a respeito!!

Bye bye

Autor: Luís Cláudio Martão

www.linkedin.com/in/luís-martão

 

Publicidade