ArtigosTransporte

Entenda a importância do corretor no controle do transporte de cargas

As movimentações de cargas devem ter um seguro em casos de roubos e acidentes, para controlar e evitar prejuízos

*Por Flademir Lausino de Almeida, sócio diretor da AT&M

Segundo o Sindicato dos Corretores de Seguros no Estado de São Paulo, o número de corretores de seguros aumentou nos últimos 12 meses, conforme pesquisa mais atual divulgada no final de 2016. As empresas registraram alta de 7% e os profissionais pessoa física, 6%. No final do último mês de julho, o total de profissionais no Estado de São Paulo era de 39,5 mil, sendo 63% pessoa física e 37% pessoa jurídica.

Esses profissionais prestam serviços em diversos áreas, assim como nos setores de transporte de cargas e seguradoras. Hoje, segundo a Confederação Nacional de Transportes (CNT), a maior parte da matriz do transporte de cargas do Brasil, cerca de 60%, concentra-se no rodoviário. E infelizmente, o roubo de cargas vem aumentando a cada ano. A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) afirma que de 2011 a 2016, o número de roubos de carga registrados no Brasil subiu 86%, passando de 22 mil casos por ano. Em 2016, os prejuízos com o roubo de cargas chegaram ao valor recorde de mais de R$ 1,4 bilhão, quase o dobro dos R$ 761 milhões registrados em 2011.

Para controlar e evitar prejuízos, em todo o território nacional, as movimentações de cargas devem ter um seguro em casos de roubos e acidentes, sendo obrigatório o seguro de responsabilidade civil.

Neste cenário, o corretor de seguros torna-se um profissional cada vez mais importante no dia a dia em relação ao controle desses processos às transportadoras. Entre várias funções que possui, uma delas é manter as empresas transportadoras informadas no cumprimento dos itens acordados em suas apólices, sobre o destino logístico de suas cargas, tipos de materiais transportados, localidade, valor da mercadoria e principalmente na agilidade caso ocorra algum tipo de acidente ou roubo da carga.

Hoje, com o avanço da tecnologia, o sistema de Averbação Eletrônica do Transporte de Cargas oferece todas essas informações para que a função do corretor se torne ainda mais ágil e atuante nos segmentos de transporte e logística. Averbação Eletrônica oferece a coleta de todas essas informações. Além disso, analisa se os dados da carga estão coerentes com a apólice do seguro do cliente e transmite essa informação para a companhia de seguro e corretor. Tudo é registrado de forma online, todas as informações ficam armazenadas em um sistema por mais de um ano. A transportadora quando emite o documento de Conhecimento de Transporte, isso é registrado no sistema da Secretaria da Fazenda (SEFAZ) de cada estado.

Desta forma, o SEFAZ responde positivamente através de um protocolo que significa a liberação fiscal da mercadoria em relação aos impostos. Para que a carga fique devidamente coberta pelo seguro, o segurado disponibiliza as informações do conhecimento de transporte para o sistema de Averbação Eletrônica do Transporte de Cargas, que checa contra os dados da apólice cadastrado em seu sistema. Tudo isso é checado em frações de segundos pelos diversos sistemas da empresa, para que, caso ocorra algum sinistro, a carga esteja devidamente assegurada e a transportadora / embarcador possa receber o seguro devido.

Artigo desenvolvido por Flademir Lausino de Almeida, sócio diretor da AT&M , empresa líder no mercado de averbação eletrônica de transporte de cargas, responsável pela emissão e controle de mais 23 milhões de documentos de seguros possibilitando a troca de informações entre transportadoras, corretores e seguradoras (email:[email protected]).

Previous post

EXPOMAFE já começou e contou com a presença do Governador Geraldo Alckmin

Next post

Otimização Logística: 5 dicas para reduzir o "ciclo do pedido"

Painel Logístico

Painel Logístico